Dossiês

Os portugueses sentem maior ligação afetiva com os brasileiros através das novelas que assistem

Influência das novelas brasileiras em Portugal

Alexandra Ribeiro
03/09/2014
0
As novelas brasileiras chegaram a Portugal há quatro décadas. As suas transmissões mudaram não só a televisão portuguesa mas também a ligação que já existia entre Portugal e Brasil.

A chegada da novela "Gabriela” à RTP, em 1977, veio mudar não só a televisão portuguesa, mas também a ligação que já existia entre Portugal e Brasil. Segundo Ferin (2003), o fator que contribuiu para o sucesso inicial das novelas brasileiras em Portugal, foi o fato de na época existirem apenas dois canais, a RTP 1 e a RTP 2, isso fez com que as audiências das novelas brasileiras fossem cativas, com 92% do universo dos espectadores, durante o período de exibição dessas novelas. «Este produto mediático em Portugal produz e alimenta o imaginário acerca da nação brasileira não somente pelos portugueses, mas também pelos milhares de emigrantes, inclusive brasileiros, que se encontram entre as três maiores comunidades estrangeiras naquele país.» (Silva; Cogo) No entanto, não foi só por "alimentar o imaginário dos portugueses” que as novelas brasileiras tiveram tanto sucesso em Portugal, existiram outros motivos.Na opinião de Straubhaar (Silva; Cogo) a resposta pode ser a «proximidade cultural», já para Ferin (Silva; Cogo) «o sucesso resulta das suas interações com conteúdos e temáticas que os interpelam», o que não diz respeito apenas «à língua comum, mas também ao imaginário comum de mitos, heróis e acontecimentos, paisagens, recordações e saudades». Por sua vez, na opinião de Moragas Spa (Silva; Cogo), o sucesso das novelas brasileiras verificado em Portugal «reflete a proximidade com a televisão tem a ver com um "cenário de experiencias compartilhadas” entre produtores e recetores». Já Catarina Duff Burney (2006) afirma que o sucesso das novelas brasileiras «fez com que os portugueses ganhassem, cada vez mais, interesse e um carinho especial pela cultura do país irmão», isto fez com que «a partir do final dos anos 70 e durante toda a década de 80, as industrias culturais brasileiras consolidaram-se definitivamente em Portugal, reforçando ainda mais os laços já estabelecidos entre os dois países».Isto é a prova que os media, sejam eles de que tipo forem, tem um papel muito importante nas culturas dos diversos países do globo e que influenciam também os espetadores. Em Portugal, segundo os autores Gustavo Cardoso e Sandra Amaral (2006), os espetadores podem ser analisados através de uma analise da dimensão geracional no campo dos media, que tem dois objetivos iniciais. O primeiro é o de «considerar os indivíduos enquanto responsáveis pela construção de diferentes e complexas dietas de consumo de media» e o segundo trata-se de perceber a «relevância geração enquanto variável de construção sociocultural partilhada por um conjunto de indivíduos, clarificando também que a idade só se torna uma variável central quando olhada enquanto denominador comum de um grupo de partilha, durante um mesmo período histórico, o mesmo ambiente cultural, acedendo ao mesmo sistema dos media e aos mesmo media».Neste caso, os media podem dividir-se em três gerações. A primeira geração, chamada "geração iniciática” que corresponde a geração de espetadores nascidos entre 1950 e 1966, num período marcado pela chegada da televisão a Portugal e em que o regime em vigor era o do Estado Novo autoritário, o que fez com que a televisão fosse utilizada para propaganda e ao mesmo tempo com fins educativos (Paleo-televisão). (Cardoso e Amaral, 2006) A segunda geração é a chamada "geração multimédia” que corresponde à geração de espetadores nascidos a partir de 1994 que é a geração que conhece a televisão a partir dos anos 90, onde a RTP deixa de ser o único canal a transmitir e é também a geração que passa a lidar com a dualidade de ecrãs, o das televisões e o dos computadores (Neo-televisão). (Cardoso e Amaral, 2006) Entre a "geração iniciática” e a "geração multimédia” existe ainda a "geração de transição” que, segundo Amaral e Cardoso (2006) corresponde à geração que «viveu a adolescência entre a Revolução de 1974 e a normalização democrática do fim dos anos 80». Esta geração no período de transição da Paleo-televisão para a Neo-televisão. Ora, a divisão dos espetadores em gerações, acaba ter influencia também no que diz respeito às audiências, pois as faixas etárias também acabam por ser um fator importante para o consumo de novelas. No caso especifico das novelas brasileiras, apesar de inicialmente estas terem tido uma excelente aceitação por parte do povo português, o facto é que com o passar do tempo, as novelas brasileiras em Portugal começaram perder popularidade e os espetadores começaram a consumir novelas feitas em Portugal. No entanto, as novelas brasileiras tem voltado a ganhar popularidade por cá, segundo João Gabriel Baptista (2013), «durante esse ano, foram exibidas sete telenovelas brasileiras nos canais portugueses, sendo cinco delas na SIC ("Amor à Vida", "Salve Jorge", "Sangue Bom", e as repetições de "Páginas da Vida" e "Senhora do Destino"). Essas cinco telenovelas brasileiras exibidas pela SIC durante 2013 fizeram parte do ranking dos dez conteúdos com mais audiência do canal. A telenovela "Amor à Vida" foi a que fez mais sucesso no país, tendo mesmo chegado a ser o quinto programa mais visto.» Isto significa que, apesar da ficção nacional atualmente ser mais vista do que a ficção brasileira, a verdade é que a ficção brasileira ainda tem o seu lugar e importância em Portugal.
Entrevista ao telespetador Paulo Monteiro



Entrevista ao telespetador Tiago Crispim



Entrevista ao telespetador Miguel Rodrigues




Referências 

Cardoso, g. e amaral, s. (2006). ficção, noticia e entretenimento: as idades da tv em portugal. in obercom, p.1-37. recuperado em 

Burnay, c. (2006). identidade e identidades na ficção televisiva nacional. in comunicação & cultura, nº 1, p. 57-71 

Batista, j. (2013). novelas brasileiras têm cinco das dez maiores audiências da sic em portugal. Recuperado em http://natelinha.ne10.uol.com.br/novelas/2013/10/11/novelas-brasileiras-tem-cinco-das-dez-maiores-audiencias-da-sic-em-portugal-67028.php

Silva, l. a. p.; gogo, d. (n.d.). brasil – portugal: internacionalização da telenovela brasileira e emigração contemporânea. p. 1-16. Recuperado em https://www.google.pt/url?sa=t&rct=j&q=&esrc=s&source=web&cd=45&cad=rja&uact=8&ved=0CEMQFjAEOCg&url=http%3A%2F%2Fmidiaemulticulturalismo.files.wordpress.com%2F2007%2F12%2Fartigo-puc_cogo-e-silva.doc&ei=_FmPU4_rLav40gXYzoAg&usg=AFQjCNESvPGK_MLwbyiwpPQUvcmoI2QdUg
Trabalho elaborado no âmbito da unidade curricular de Media e Mercado de Língua Portuguesa do Mestrado em Comunicação Aplicada - Especialidade de Estudos Aplicados em Jornalismo

TAGS: telenovelas brasileiras, novelas, Brasil, Portugal, telespetadores, Paulo Monteiro, Tiago Crispim, Miguel Rodrigues

 

Últimos comentários

Comentários