SHOT

Pexels

Virtualmente Real

Youtube e Blogue: novas formas de comunicar

29/06/2017
Patrícia Leite
0

Hoje, já não é necessário ser jornalista ou crítico para sugerir livros, partilhar conselhos de moda e até reviews de jogos. No mundo do ciberespaço, o mais anónimo do cidadão tem um universo de oportunidades à distância de um click. Pelo canal Youtube ou através de blogues pessoais, os protagonistas da saga online chegam ao público em milionésimos de segundo.

As novas tecnologias provocaram mudanças profundas no processo de comunicação. Com a Internet, as pessoas deixaram de ser consumidoras passivas de informação, sem possibilidade de intervenção, para passarem a partilhar o seu ponto de vista, que fica acessível ao mundo através de qualquer smartphone ou computador. A ideia de representações personificadas de cada usuário no ambiente digital tende, segundo os especialistas, a originar um esquecimento do mundo de relações reais. No ciberespaço, o importante são os assuntos do dia-a-dia, onde cada internauta apresenta a sua própria interpretação da vida. 

Numa era mediatizada, as pessoas deixam-se absorver no mundo virtual, perdendo-se do mundo real. Inês Amaral, coordenadora do departamento de Ciências da Comunicação da Universidade Autónoma de Lisboa, explica que "estes media profissionais, ou novos atores que operam no ciberespaço passaram a ser audiência das pessoas comuns, conseguindo, de facto, reconfigurar a forma como se constrói a realidade”. A investigadora em media digitais adiciona ainda que a grande maioria dos utilizadores do digital nunca se desligam, continuam sempre em rede: "Pessoas com competências de literacia mediática têm capacidades para não entrar nesse sistema de total imersão, mas a esmagadora maioria das pessoas, não conseguem distinguir, perdendo a noção da realidade.”


Redes como o youtube e o blogue são, não só um meio de partilha como de criação de uma persona que se tenta aproximar dos seguidores. Surgiu da necessidade de o público querer ver uma representação do seu mundo, na vida de outras pessoas. De se sentirem iguais a pessoas que falam para milhões. "Há um número de pessoas que efetivamente conseguem tornar-se influenciadores e, consequentemente, ter uma grande rede de pessoas a segui-los. Não acho que exista uma fórmula exata, mas isso acontece porque elas se conseguirão tornar mediáticas. Também porque foram mediatizadas, ou seja, acontece esse apoio dos media profissionais, que são importantes para credibilizar as pessoas”, elucida Inês Amaral.


Outro fator a ter em conta: as marcas. Rapidamente se apercebem que um blogue ou youtube é representativo de uma pessoa real, com uma opinião real. A divulgação passa por deixar que estes protagonistas virtuais possam se tornar a imagem da marca. Oferecendo produtos para que estes criem informação crítica e encaminhem os seus subscritores à compra.


Inês Amaral explica ainda que estas parcerias se tornaram um dos mecanismos essenciais das marcas. Tudo deriva do ingrediente preferencial: os ricos ficam mais ricos. "Os ditos influenciadores online tem presente nas suas diferentes esferas esta capacidade de imersão, em que as pessoas estão sempre na rede. Se alguém que é muitíssimo reconhecido publica qualquer coisa no blogue, republica no seu facebook e tem 500 mil partilhas, é esse número expressivo de partilhas e visualizações, que atraia ainda mais as pessoas.” É costume ver blogues de todos os formatos, com eventos ou produtos patrocinados por marcas. A docente da Universidade Autónoma justifica que "é por isso que o chamado product placement, desapareceu dos ditos media tradicionais e emigrou para o ciberespaço”.


O blogue vivo

Passando para um ecrã diferente que não o da televisão, as caras do mundo offline tornam-se conhecidas na comunidade do Youtube. Com os blogues em vídeo, a ideia é manter uma conversa pessoal com o espectador, de temas reais, através de pessoas reais.



Sara Ferreira Makeup

E é entre uma carreira profissional de maquilhadora e o canal no Youtube, que Sara Ferreira costuma falar com os seus 28 mil seguidores sobre beleza. Para a youtuber, a recompensa das horas de filmagem passa pela vantagem de saber que anima o dia dos subscritores, "Saber que tiveram um dia mau, que estão a passar por um momento difícil e se refugiam nos meus vídeos. Que consigo roubar uma gargalhada. Não há elogio melhor do que esse. Que animo o dia de alguém, sendo eu mesma”.


A criadora do Sara Ferreira MakeUp afirma que o conteúdo mais procurado no canal começa nos vídeos dos favoritos e acaba nos vídeos de compras, para preparar a sua lista de "a comprar”: "Quem assiste acredita no que digo, sinto que cada vez mais influencio a compra de um produto da qual falei tão bem, porque tendem a confiar na minha opinião.”



Diário da Chris

No entanto, as sugestões para a lista dos expetadores não passa simplesmente por maquilhagem. No universo dos livros, os cuidados em falar das páginas das leituras do mês, prendem-se aos chamados booktubers. Foi no tempo em que a comunidade dos leitores era ainda pequena que o Diário da Chris se iniciou. "Quando comecei a minha ideia, era mesmo a partilha despreocupada das minhas opiniões, compras, expetativas, experiências. Mas quatro anos depois, posso dizer que aquilo que me motivava a publicar na altura continua a ser aquilo que me leva a publicar hoje em dia. Sei que ter um canal implica muito mais hoje do que implicava á quatro anos atrás. Muita mais exposição requer muito mais trabalho. Mas também é muito mais recompensador” afirma a booktuber "O booktube é uma comunidade muito específica. Só vem assistir aos nossos vídeos quem realmente está interessado no tema. Por isso, o impacto que causamos é nesse público, o que para mim é muito positivo. Influenciar outras pessoas a ler é muito bom, é saber que estamos a contribuir para a cultura de outrem”.



The Booktarian

Nesta faceta da literatura em vídeo, nasce The Booktarian em 2014, com um desejo: influenciar a leitura regular. "Após dois anos, tenho certeza de que consegui atingir essa meta, através do feedback que provam que as pessoas só precisam de achar o livro que é mais indicado para si para perceberem que ler regularmente é uma das melhores decisões que fizeram na vida.”


Porém, para Ana Pinto, a booktuber, era inimaginável comunicar desta forma. Foi há pouco tempo que perdeu o medo e deixou de manter o canal em segredo. Atualmente ter um cantinho no Youtube é quase como se tivesse um "terceiro braço”, "é a melhor forma de expressar aquilo que adoro, e acredito que as pessoas já começam a aceitar melhor a ideia de que, nos meus tempos livres, eu passo demasiado tempo a falar sozinha para uma câmara”. Com este investimento em divulgar a sua própria pessoa, já arrecada três experiências com autores portugueses e três parcerias com editoras portuguesas: "Normalmente, um autor entra em contacto comigo e propõe que, em troca de me oferecer uma cópia do seu livro, terei que fazer uma opinião em vídeo, após a leitura. Também já me aconteceu o autor disponibilizar-se para me oferecer uma cópia extra para sortear num passatempo.” Já com as editoras, o negócio não difere. Ana Pinto conta que, "na maioria dos casos, elas disponibilizam-se a enviar uma ou mais cópias de livros publicados, em troca da nossa posterior opinião e divulgação. Para além disso, também se costuma divulgar as novidades dessas editoras nas redes sociais”.



Sofia Gonçalves

O canal do Youtube é constituído por uma diversidade de temáticas: moda, lifestyle e beleza. Nesta via de comunicação, o número de visualizações não foi o único que cresceu ao longo de dois anos. Sofia Gonçalves admite que decidiu que não iria viver a sua vida consoante o que os outros pensam e criou o portal para a publicação de vídeos: "Um dia peguei numa máquina, sentei-me e comecei a gravar, e a verdade é que gostei muito de estar de frente para uma câmara. A partir desse dia, cresci muito como pessoa”.


Depois de perder a vergonha, viu que o fácil era difícil. É a aprender constantemente novas capacidades de comunicação, publicidade e até mesmo de edição, que organiza o seu tempo consoante este hobby audiovisual. "Pensei que era só começar a gravar e o conteúdo estava pronto, mas apercebi-me que requer muito trabalho antecipado. Para um vídeo de 5 minutos, demoro horas a programar a sua estrutura. Tenho um caderno onde escrevo as ideias e todos os planos de vídeo que tenciono filmar. Depois organizo na minha agenda a semana, para que todas as quartas feiras tenha o dia livre.”



BacoTheGamer

No universo dos gamers, Rodrigo Dionísio faz questão de liderar o comando com o seu canal BacoTheGamer. Mais de oito mil subscritores e o método sem programações sempre se manteve: "Começo a gravar e que seja o que Deus quiser! Faço a introdução e tento trazer o máximo de conteúdo a cada vídeo. Acho que o guião ou preparação estraga um pouco o fator surpresa e a espontaneidade do conteúdo.”


Para o gamer, o mais importante neste mundo é trazer conteúdo diversificado, com qualidade e capaz de fazer sorrir: "Estas plataformas na internet oferecem o que as pessoas procuram, porque hoje em dia, os media estão de tal maneira formatados para seguir padrões e noticiar, que muitas vezes as pessoas procuram a autenticidade e a sinceridade nas opiniões de outras pessoas, através de outras fontes de informação.”


O mundo da blogosfera



My Fashion Insider

Na esfera do blogue nacional, a faceta da interatividade muda de caras e depara-se com uma maior diversidade de elementos. Desde imagem, escrita e hiperligações, a conversa a dois, continua. Aqui, há possibilidade de transmitir ideias, valores ou dicas. E para Nádia Sepúlveda, dona do My Fashion Insider, o futuro neste mundo é risonho. Tudo começou em 2009, como uma apaixonada de moda que queria partilhar a sua paixão e encontrar mais pessoas que vibrassem com o tema. "Comecei o blogue com 19 anos e agora tenho 27. Por isso, muita coisa mudou. Sem dúvida, o My Fashion Insider contribuiu muito para eu ganhar mais desenvoltura social, ser mais segura e amar-me mais”, explica a bloguer.


Com mais de 50 mil visualizações por mês, os seus posts percorrem temas como: moda, fitness e até mesmo bra-fitting. Uma das melhores sensações do mundo, para Nádia, é conseguir fazer alguém sorrir. E é este o objetivo quando cria cada conteúdo, "no blogue e na página do facebook tento transmitir mensagens de amor-próprio, de aceitação e de positivismo.”


No início, era uma espécie de diário e agora como uma partilha de paixões, sentimentos e ideias. O blogue tornou-se um hobby fora do mundo offline, onde a realidade é a medicina. "Ao longo de todos estes anos, houve muito esforço. No sentido de procurar conciliar um curso e uma carreira bastante absorvente, com o My Fashion Insider. Houve, infelizmente, alturas em que comprometi tempos livres e horas de sono, com o intuito de tentar fazer tudo. Com a maturidade, fui tirando rigidez aos planos, deixando o blogue fluir com mais naturalidade e menos imposição.” A bloguer explica ainda que, agora o planeamento das temáticas é feito com antecedência, "tento fotografar, editar e escrever com tempo. Costumo fazer listagens de conjuntos e temas que quero abordar, para me organizar.”


Reconhecimento público

As caras tornam-se conhecidas, a partir do momento em que partilham a sua personalidade pelas redes. Mas como é para estas, quando o seu trabalho é reconhecido em público?


Rodrigo Dionísio, do BacoTheGamer, diz que foi um momento engraçado. "Da primeira vez eram dois rapazes, cumprimentaram-me e pediram para tirar uma fotografia. E no evento da Lisboa Games Week, já fui reconhecido variadas vezes, davam-me prendas e cartas. É excelente sermos reconhecidos pelo trabalho que fazemos e pelo sorriso que colocamos nas caras das pessoas.”


No mundo da maquilhagem, o caso não muda. Sara Ferreira considera que ser reconhecida da rua tem tanto de bom como de mau: "Bom, quando a pessoa vem ter comigo e fala. Costumo dar um enorme sorriso, conversar e chego a tirar fotos. Mau porque, quando a pessoa simplesmente olha, e não tem coragem de falar, torna-se constrangedor.”


Já para Sofia Gonçalves, foi uma momento tanto satisfatório, como desprevenido. "Estava no autocarro a voltar para casa, da faculdade, quando uma senhora me pergunta subitamente se o meu nome era Sofia Gonçalves e se tinha um canal no youtube”. A youtuber admite que é bom saber que todo o trabalho que tem em rede é recompensado. Não só pelos elogios na rede, como pelo reconhecimento público, quando as pessoas a identificam na rua.


A internet veio não só como um meio de entretenimento como uma nova forma de comunicação, quebrando a barreira da distância e possibilitando que, com apenas um clique, pessoas de todo mundo possam interagir a qualquer momento e em qualquer lugar. Tornou-se possível para os influenciadores do mundo offline de criar uma ligação mais próxima com o público através do online, assim como de se fundamentar a oportunidade de o próprio público partilhar a sua opinião. Constituem-se assim as ditas personagens virtuais que participam na junção entre o virtual e o real. Inês Amaral esclarece que não existe uma fórmula exata para o sucesso no mundo digital, no entanto, são necessários alguns ingredientes para serem seguidos pelo público português: "Identificar bem o nicho de mercado, saber passar a mensagem e saber produzir conteúdo adequado.”


Siga o UALMedia no Facebook

TAGS: youtube, blog, redes sociais, bacothegamer, sofia gonçalves, diário da chris, the booktarian, sara ferreira makeup, my fashion insider, inês amaral

 

Comentários